Neve em modo low cost!

 

Carro de sete lugares e sete pessoas lá para dentro
 
Pusemos tudo o que pudemos na cabeça para não ocupar tanto espaço. Entre chourição, queijos gourmet e salmão fumado para o pequeno almoço, os skis, as botas e a mala do tecto, tão cheia que foram precisas duas pessoas para a fechar, há que fazer passar o tempo! Parece incrível mas vamos sete numa carrinha para sete, com malas, skis no tejadilho, blusões e comida.
foto carro cheio.jpg
Férias na neve.
La Molina e Masella.
Mais de 100 kms de domínio esquiável. Estância top! Cheia de árvores. A 200 kms de Barcelona. Pode ir-se de comboio. Ou carro. 12 horas de Lisboa. A cerca de 50 kms de Andorra, mas com pistas só para nós. Absolutamente maravilhoso! A Escola Catalã de Esqui foi espectacular. Mesmo em frente às pistas. Podem pedir a Aina como professor, ou o Pau, para os mais velhos. Adoraram! Mais do que radical.
Ficámos nos apartamentos do Hotel Solineu (Costa Rasa). Em cima da hora, era o que havia: Cerca de 1000 euros, seis noites para sete pessoas. Se tiverem ideia do nível (mau) de apartamentos em Serra Nevada estes são óptimos! Até lareira têm. Podem usar as instalações do hotel, o spa e a pizzaria. Tudo bom (Não jantem no restaurante buffet do hotel, por favor, não digam que não avisei).
ESCOLA CATALÃ DE SKI
Escola Catalã de Esqui: Preços/aulas por criança.
Se forem em grupo, 138 euros por cinco dias/pessoa. Três horas por dia. Se forem aulas individuais, 38 euros por hora/por pessoa. A Alice fez sempre, até hoje, aulas individuais. A evolução é enorme. Podem alugar o material na loja do hotel. Equipamento: cinco dias botas e skis. Kids mais novos 45 euros e kids mais velhos cerca de 65 euros.
Foram cinco dias incríveis. Boa neve, estância maravilhosa, pistas só para nós! A comparar com Andorra, que é tão perto, isto parece os Alpes!
28055680_10157091102363272_3238172244464615031_n
Vamos voltar! Não dá para passar o fim de semana, para isso Serra Nevada está mesmo ao lado de Lisboa (seis horas) mas para quatro ou cinco dias já compensa.
16683969_10155762992693272_123665549174752476_n
Por falar em Serra Nevada…havemos de fazer um post sobre estas viagens que fazemos, sempre que podemos, até lá, deixo-vos o contacto da Ana Dias, da Escola Universal de Ski. É portuguesa, mas está em Serra Neva há tantos anos que já canta o nosso português. Deu as primeiras aulas de ski ao Bernardo com três anos, à Maria do Mar com quatro e à Alice com quatro. Todos os anos regressamos e ela fica com a Alice de manhã, duas ou três horas por dia. Se há quem recomendamos é esta Ana, que ficou nossa amiga.
IMG_1243.jpg
Serra Nevada dá sempre para aquele pulinho na neve.
Se falarmos dos forfaits e hotéis é caro. Se falarmos de apartamentos é péssimo. Se falarmos de pistas tem boas pistas mas falta-lhes a natureza em bruto. Pistas com árvores, dimensão mas, para poucos dias, é perto e tem a Ana.
Não fiquem em casa!
Anúncios

O nosso lema é ir…

O nosso lema é ir… SEMPRE. Com muito ou pouco. Verbo IR.
aviao todos

Somos 5 a viajar. Podíamos viajar sozinhos, quero dizer, sem crianças, mas a verdade é que o facto do meu pai me ter proporcionado tantas viagens fora da caixa e a minha mãe ter sempre cedido a enviarem-me para fora, sozinha, desde os 10 anos, para escolas para aprender inglês e francês, no verão. Acabei por ser uma viajante tão apaixonada que não há dia que não olhe para preços de viagens.

Não há como não querer mostrar às minhas filhas que o mundo é a maior escola da vida. Umas portas abertas para a liberdade, para o sonho, para a aventura. Entre os textos que vou escrevendo durante o ano, as reservas, os contactos e os mil e um projectos que invento, acabo sempre por ir, quase todos os dias, ver os preço das viagens.

Às vezes são comboios, dormidas em barcos ou qualquer outra saída possível, urgente, da rotina. Vejo, também, muitas vezes, o preço dos voos sem destino, simulando datas e vendo para onde, no mundo, se viaja mais barato, naquele dia.

VIAJAR COM TRÊS CRIANÇAS
ea45b-mel_8679_pm2b-2bfunny2bstudio

Tenho recebido algumas mensagens a perguntar como fazemos? Como viajamos com as três crianças? Como fazemos para que seja possível?
Como não é um inferno ? Como se torna viável financeiramente? A Alice viaja desde os 20 dias. Tinha ela 20 dias  e já andava em Marrocos. E nunca mais parámos. A Maria do Mar tinha três meses e já foi tarde! Aos cinco anos, a Alice, hoje, enfrenta 35 horas de escala com um livro na mão de pinturas e brinca horas sozinha mas o início não foi fácil.

Quando a Maria do Mar e o Bernardo se juntaram na mesma casa, tinham quatro anos. Eram ambos filhos únicos e mediam até o tapete do quarto! Com a mesma idade pareciam gémeos mas não eram irmãos e o que hoje são, de tão amigos, e agora sim parecem gémeos, irmãos, têm até o mesmo grupo de amigos, e enfiam-se no quarto um do outro, até às tantas, até chegar aqui …foi um caminho duro!

Muitas vezes questionei se iria aguentar a competição, as guerras em casa, nas viagens, mas… hoje conseguimos rir-nos do inferno que foi e estamos aptos a dizer: não desistam!

Gastamos o dinheiro que temos em viagens e em projectos. E na escola. Já vivemos um bocadinho de mudanças. Já nos atirámos sem rede. Já arriscámos e vamos continuar a arriscar e isto constrói miúdos sem medo.

AS MALAS DE CADA UM …CADA UM CARREGA…

 

19554467_10156279984813272_5830663750934375826_n

 

Quando viajamos cada um faz a sua mala. (Até a Alice faz). No fim só vejo se vai viajar sem cuecas ou sem fatos de banho e as malas que cada um leva, cada um carrega. Não há cá mordomias ou bebés.

Passo o ano a dizer: “não comes isso não vais à índia,  ou não vais a um lugar qualquer…“(às vezes não funciona porque a Alice lança um: também não quero ir à india!)” mas a verdade é que as viagens e a liberdade os faz crescer.

Faz saber o que querem e o que não querem. Faz com que tenham opinião. Não temos medo do tempo dos voos, das escalas e como somos 5, para se tornar viável viajar tanto, temos de viajar com escalas mas isto ensina muito e eles sabem por que viajam com escalas.

No ano passado fizemos uma viagem incrível para o Camboja onde passámos o Natal e o fim do ano, 14 dias, com eles, as malas e um mapa.

Desenhámos a viagem de forma a que fosse possível e passaram de hotéis para cabanas na Praia, onde não havia água quente, porque na ilha ainda não havia água quente! Foi uma aprendizagem mas no segundo dia já ninguém se queixava!

A palavra de ordem é Levá-los. Levar à Disney com um ano e meio. Todos diziam que não fazia sentido. Ela foi. A mais velha. E a mais nova. Mais tarde. Também com pouco mais de um ano.

Molda-lhes a forma de estar na vida. Dá-lhes magia e fantasia. Cores. Música. Dá-lhes outros mundos. Dá-lhes integração. Aceitam a diferença. Sabem lidar com ela.
Aos 10 anos a Maria do Mar viajou sozinha. Foi. Ultrapassou os receios. Foi para Londres. “Well done girl”. Aos 11 foi sozinha para o Canadá. Certa do que queria. Um mês sem falar com os pais. Com o CISV. Amou! Foi tão feliz! Fez amigos, do mundo inteiro, com quem ainda hoje fala!

Isto de viajar transforma-os, molda-os. Claro que é mais fácil não irem. Claro que para nós seria muito mais fácil não os levar. Claro que pouparíamos imenso dinheiro mas o dinheiro é mesmo para gastar!

O DINHEIRO É PARA GASTAR!

mesa marrocos

 

E nós juntamos mesmo para gastar. Why not? Para lhes dar experiências. Para vivermos experiências. Para contar a nossa história e partilhar!
Gostamos de sair para longe e para perto. Viajar cá dentro.  O nosso país também é lindo! Autocaravanas, tendas, Barcos, turismos, casas… no fim do mundo, no nosso país.

Vão. E levem-nos. Na verdade estamos a mostrar-lhes que podem fazer tudo o que querem. Com pouco ou muito dinheiro podemos ir. Hoje em dia podem ser o que quiserem. Está tudo à distância de um clic. Podem trabalhar o tempo que querem consoante o dinheiro que querem juntar. Podem ser livres. Nós sentimo-nos muito mais livres hoje. Só espero que isto que queremos passar para eles lhes fique generosamente no adn.
E confiem no instinto. Vão. Atirem-se. Partam à aventura. É mesmo a melhor coisa do mundo! Quando passarem por Grândola ou no alentejo, visitem-nos e escrevam-nos. Venham conhecer-nos!

Quem quer ir para a semana até Marrocos?

Já fizemos de tudo! Marrocos é aquele destino…que vamos. Sempre. Estamos prontos. É só fazer a mochila. E fazemos com a maior das alegrias. Já fomos para o club med com os miúdos (Smir- infelizmente já não existe mas aquelas cabanas na praia eram a nossa cara), já fomos com amigos, de jipe até ao deserto, já tinha ido como jornalista, até Erg Shebbi, para fazer a cobertura dos treinos do Dakar. Já tinha ido com o meu pai, doente por viagens como eu, várias vezes. Não consigo escolher a melhor.

 

Gosto dos cheiros, das ruelas, das cores, de especiarias, dos mercados. Gosto de comer na rua, de regatear, de ver os  tapetes estendidos, a cada esquina,  e gosto  de perguntar. Gosto de visitar escolas, entrar na cultura, comer em casa de quem aqui habita. Gosto de viver os destinos  sem horas. Gosto do deserto. É sempre tempo de regressar a Marrocos.

Escolhi a viagem com amigos para retratar porque foi a volta maior, passou pelo deserto, tivemos jipe e guia e pagámos cerca de 500 euros por pessoa por 6 noites, através do site do  Joao Leitão.

nós em marraquexesouk marrocos

Começámos a viagem de amigos com um post surreal! Lançámos a pergunta como se de um tapete se tratasse: “Quem quer ir, para a semana, até Marrocos?” Em uma semana éramos 6, marcámos voos (há sempre a bom preço, basta pesquisar no skyscanner/momondo) e contactei o João Leitao. Viaja pelo mundo, tem site de viagens, Marrocos é casa para ele, tem com a  irmã um turismo, Dar Rita – Riad, em Ouarzazate (as portas do deserto). Não é caro. Aqui fica o roteiro que fizemos!

Marrakech, Ouarzazate, Ait Benhaddou,  Dunas de Erg Chebbi e dormida no deserto, Essaouira, Gorges du Todra.

Aterrámos em Marrakech e dormimos no riad de um suiço, com uma piscina do tamanho pouco maior do que uma banheira. E não é que parecia uma piscina olímpica? O calor era tanto que não era possível sair do riad depois de almoço. No topo da casa havia um terraço e este mar dos deuses. Era onde nos abrigávamos do calor…

piscina marrocos

 

Marraquexe, a cidade Rosa. Localizada no sudoeste de Marrocos. Músicos, bailarinos, roulottes, comida, contadores de histórias, vendedores de tudo, cobras e lagartos e tudo o que nos deixa de boca aberta. E de volta à piscina, no topo do telhado. No verão não há como não ter!

As malas chegaram assim, de carrinho e nós a pé. Querem melhor? Chegámos à rua do hotel. Parecia que tinhamos entrado num conto das Mil e uma Noites. Aqui tudo é possível.

 

marrocos marraquexe

O Islão é a religião com mais seguidores em Marrocos, mas coexiste perfeitamente com outras como é o caso da judia e a cristã. No Ramadão, a venda de álcool e  refeições, em alguns estabelecimentos, podem estar condicionados, mas para servir os turistas, trabalham, sem comer, durante todo o dia. Na última vez que estive em Marraquexe, estava a chegar o fim do dia e tinhamos apanhado uma charrete para percorrer a cidade. O condutor, ao chegar o final do jejum, parou a charrete e pediu autorização para comer. A primeira coisa que fez foi oferecer-nos. Nunca mais me esqueci deste gesto…

 

banca marraquexerestaurante marrocos

 

Sempre comi na rua, nunca tive problemas. Levo os miúdos e aprender a olhar para estas bancas e apreciar uma cultura diferente, levo-os a sentar-se para almoçar ou jantar. A sentirem-se em casa. E o que comer? couscous e couscous e mais couscous. Adoro de galinha e borrego!Somos fãs e cozinhamos muitas vezes em casa!

 

pedro e cousous marrocos

Pára tudo! É de ir ver:

Gorges du Todra ou Gargantas do Todra são os desfiladeiros mais conhecidos de Marrocos. Ficam no vale do Todra, do lado oriental do Atlas a cerca de 15 km da cidade de Tinerhir.

Impressionantes penhascos que chegam a atingir os 300m de altura, separados apenas por 20 a 50 metros. Há pessoas por todo o lado na água. Crianças, idosos.

Entre as paredes esmagadoras corre o rio e há uma estrada que o acompanha. Ao percorrer a estrada temos realmente a sensação que vamos ser engolidos. É tirar os sapatos e deixarmo-nos levar.

homem numa pedra marrocosmarrocos eu
Ouarzazate:
Não perca o fantástico Oásis de Fint, o Kasbah Tifoultoute, O Ksar UNESCO Património Mundial chamado Ait Benhaddou, o Oásis de Skoura e a aldeia de Tounout, Anzal e Tazenakht.
Pode ainda visitar os dois estúdios de cinema com  cenários de vários filmes de Hollywood tais como Lawrence das Arábias, Gladiador ou  o Reino dos Céus (The Kingdom of Heaven). Nós fomos e valeu a pena!
eu marrocos parque cinema

Ait Benhaddou é um ksar (em português Álcacer) situado a 28km de Quarzazate. Está inserido na lista de Património Mundial da UNESCO, esculpida numa encosta no sopé do Atlas com o rio a seus pés, esta “aldeia de barro” é um lugar exótico que não deixa ninguém indiferente.

Outro campeonato:
A chegada ao deserto é reduzirmo-nos ao nosso tamanho. É perceber a dimensão do mundo. É respeitar. É ser feliz.
dunas nos
Dormimos a primeira noite num hotel nas dunas absolutamente extraordinário, procurem “Auberge du Sud”. Estava um calor infernal, electricidade só a partir das 19 horas ou seja, até lá, sem ar condicionado.
Lembro-me bem de tomar duches para me refrescar e de me atirar directa para a cama para tentar dormir uma sesta mas secava em menos de um mn.
O hotel tem umas janelas para o deserto que nunca me irei esquecer. Hei de regressar com os miúdos.
À noite, a festa.  O coucous, o borrego, as frutas, os bailarinos, as danças, música berbere e deixávamo-nos cair num tapete até adormecer. De manhã, partimos de camelo para o deserto onde acampámos de noite. Uma experiência demolidora. Este hotel organiza as dormidas no acampamento Bouydrguie. É imperdível!
deserto marrocos
dunas camelo marrocos
dunas marrocos 1
Quem gosta de aventura deve passar por isto.  A areia desenhada. Parecem fotografias só que estamos dentro do quadro! E ainda assistimos ao “cameleiro” a pescar um peixe na areia. Só com uma mão! (Não nos esquecemos deste gesto, Hamid. O melhor “cameleiro” de sempre).
fila indiana marrocos
Dormimos numas tendas improvisadas, o jantar foi servido antes de começar a festa, muitos optaram por dormir ao relento a ver as estrelas e a ouvir os batuques. Nós ficámos nestas tendas, alcatifadas e confortáveis. Qual conto de Sherazade:)
dunas
Levantar e cedo erguer dá direito a subir à duna mais alta e correr para ver o nascer do sol mais extraordinário. África e deserto é a mistura perfeita para ser feliz!
mesa marrocos
Bom dia!
nós em marrocos
Dá tempo para parar, fotografar e pensar que  acordar cedo faz realmente a diferença.
Seguir viagem aqui quer dizer regressar ao jipe que alugámos com motorista. Podemos fazê-lo nós mas termos deixado o volante para quem conhece os caminhos foi espectacular. Éramos 6 com o guia 7. Limitávamo-nos a fotografar e a parar onde pedíamos, sempre que saía fora do programa.
jipe marrocos 2montanha marrocos

Ait Benhaddou é um ksar (em português Álcacer) situado a 28km de Quarzazate. Está inserido na lista de Património Mundial da UNESCO, esculpida numa encosta no sopé do Atlas com o rio a seus pés, esta “aldeia de barro” é um lugar exótico que não deixa ninguém indiferente.

 

Também a não perder:

Rabat, Chefchaouen, Nkob,  El Jadida, Toubkal. Um casamento berbere, visita a um kasbah, visitar os berberes,   a ida a uma madrassa. E tragam tapetes. Ficam para a vida:)

 Auberge du Sud

  • Morada: Ras el Erg, Merzouga, Province d’Errachidia, Marrocos
  • Telefone: +212.661.602.885
  • Email: aubergedusud @ gmail.com
  • Página de Internet: www.aubergedusud.com

A saber antes de ir e visitar:

  • Souks – Mercados labirínticos onde nos queremos perder;
  • Riads – Mansões com pátios construídas perto dos palácios onde os parentes da família real, conselheiros e mercadores ricos passavam o seu tempo. Há muitos riads actualmente que são turismos. Para mim o melhor sítio para ficar;
  • Hammam – Banhos públicos tradicionalmente de tijolos de lama. Experimentem;
  • Madrassas – Escolas ou centros de aprendizagem de leis, Filosofia, Astrologia e do Corão .Faz sentido ir visitar;
  • Kasbahs – Castelos de tijolos de lama construídos em lugares remotos como no topo rochoso de um penhasco ou num oásis. Não percam.

 

*ver site do João Leitão sobre este destino.

E agora nós! Somos 5!Family of 5. Em viagem. Cabeça na Lua e pés no chão!

 

18010694_10156000062683272_8080537232606938709_n

 

THE FAMILY

Deixámos Cascais para trás e uma vida com três crianças, com três colégios, com muitas horas de trânsito por dia. Deixámos os amigos e a família na capital. Deixámos os nossos projectos. Arquitectura e jornalismo. Juntos construímos a Terra do Sempre. Um monte que comprámos  há 8 anos, na serra de Grândola, a 5 Mn da vila. Foi o início deste nova história. Sempre viajámos muito. Com o arranque do turismo tivemos de parar de viajar e de parar durante 3 anos…e depois foi só recomeçar…pés no chão e cabeça na Lua. Ir. Sempre. Com  mais dinheiro ou menos. Para o outro lado do mundo, para a praia do lado, de auto-caravana, de tenda às costas, com skis, com pranchas de surf, com tudo ou com nada. O importante é ir JUNTO. 

A avó viveu connosco  3 anos. Foi a avó que deu vida ao nome do logotipo. Ela é que o desenhou. Tantas vezes o escreveu que assim ficou. A avó, bisavó dos miúdos, lia um livro por dia e era daquelas avós que andava de calças de ganga e ténis e brinca no chão. Foi ela que me deu tantos sonhos e viagens e que me fez perceber que tudo o que queremos podemos lá chegar”!

Eu, Barbara, sou  filha e neta de Jornalistas, tornei-me naquilo que ninguém lá em casa queria: jornalista. 17 anos na profissão, 15 anos como repórter na SIC. Sempre de caneta e papel por perto. Pronta para perguntar, responder e conversar. Em casa ou em viagem…estas são algumas das histórias que temos para contar!

26685383_1561246233928601_6039676185583240772_o

 

Sobre a Terra do Sempre:

Eu escrevo, ele desenha. Só podia resultar num mundo de histórias mágicas que a infância não deixou esquecer. Sob o lema “Where life and Stories fall in Love”, a Terra do Sempre é muito mais do que um turismo. 


 

THE FAMILY

They left Cascais behind and a life with three kids, three schools and a lot of hours spent in traffic. They left their friends and family in the portuguese capital. Together they left their own personal projects. Architecture and Journalism. Together they built Terra do Sempre. A country house they bought five years ago, in Grandola mountains, just 5 minutes driving from town.

THE STORY

Grandma lived with us for  three years. She was the one that gave lifeto the name and logo. She draw it. So many times she wrote it we finally keep like that. Grandma, , she reads a book a day and shes one of those grandmas that used jeans and sport shoes and that played with the kids on the floor.

Bárbara shes daugther and grandaugther of Journalists, so she become precisely what nobody at the house want her to become: Journalist. After 17 years in the profession, 15 years as a reporter at SIC – television station. Always with a paper and a pen around. Always ready to ask, answer and chat. 

I am journalist, Pedro is an architect. We travel with a family of 5.  Alice is 5, Maria e 12 and Bernardo is 12 and they are not twins!:)

From Kruger Park in South Africa or Mozambique, to the islands in Cambodia,  the perfect sunset in Mexico or the best restaurant in Verona, our secret is called passion in travelling around the world with 3 kids!  With backpacks, big bags, or just a bathingsuit we always leave the house and everything behind to find the perfect holidays.  We moved from the city to the countryside and built a storytelling tourism “Terra do Sempre”. Each time we have some time out our life is all about travelling. Travelling with a family of 5. Where to go with the kids, where to stay, what to do, how much it will cost. Where to go as a couple:) Follow us  and let your dreams come true.

27545645_1575100895876468_7654458174433452186_n

13221310_1014937761892787_5288199444044067029_o

13240018_1017490594970837_306701495675121887_n.jpg13217076_1014937945226102_5854817024702531702_o.jpg11054867_969733699746527_6857980775000499872_o.jpg26994081_1568919743161250_8565052102352165782_n.jpg